quarta-feira, 7 de junho de 2017

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Um Jesus Palestiniano


Eu cresci numa Escola Dominical a cantar aos Domingos:

Blessed and divine (Abençoada e Divina)
Is the land of Palestine (É a terra da Palestina)
Where Jesus was born. (Onde Jesus nasceu)

Mas Jesus nasceu na Palestina? Parece uma pergunta estranha para se fazer. Claro que nasceu, certo?

terça-feira, 18 de abril de 2017

Tetelestai


Se as pedras de uma certa estrada,
Pudessem contar o que nelas aconteceu,
Contariam muitas estórias e contos de fada,
E a história de um Homem Santo que nelas percorreu.

Multidões, gritos, ódio, violência e rancor,
Estava lançada a condenação deste inocente,
Que ao ver a excitação do povo, em fervor,
Não abriu a boca, e prosseguiu em frente.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Jesus no Yom Kippur



Muitas abordagens na Bíblia sobre a ordenança do Yom Kippur anteveem o grande Dia da Expiação: o sacrifício do próprio Messias.

Aparentemente, Deus enumera mandamentos estranhos e até mesmo bárbaros acerca do sacrifício de sangue na Lei, que para nós, cidadãos do século XXI nos parecem muito desconcertantes. Contudo, quando olhamos cuidadosamente e em detalhe para as instruções e o que está por detrás, torna-se impressionante verificar a beleza e a profundidade da sabedoria de Deus e dos seus planos proféticos. Basta apenas cavar um pouco mais para descobrir tesouros maravilhosos.

sábado, 15 de abril de 2017

O apartheid em Hebron


Hebron é, depois de Jerusalém, a segunda cidade mais sagrada para os Judeus. Os Judeus viveram nela mesmo depois da ocupação árabe no século VII. Eles eram considerados cidadãos inferiores, “dhimmis”, segundo os costumes da administração muçulmana. No século XVI os Judeus já tinham sido expulsos de entrar na Caverna dos Patriarcas. Houve motins contra os Judeus em 1517 e 1834. Nessa altura não se falava em ocupação, Sionismo e tão pouco Israel.

A maior chacina ocorreu em 1929. Cinquenta e nove Judeus foram assassinados por uma multidão de muçulmanos agressivos, enquanto alguns árabes, “Justos Entre as Nações”, rejeitaram o ódio e esconderam Judeus. No seguimento da chacina, os Judeus foram forçados a sair e os Muçulmanos tomaram os seus bairros e casas.

Hebron


Hebron está localizada a 30 Km ao sul de Jerusalém. A base económica de Hebron é a indústria de tecidos de algodão e roupas, produtos de couro e diferentes formas de artesanato. É conhecida pelas suas fábricas de vidro de sopro, oficinas de cerâmica, pedreiras de calcário, também pela sua quantidade de vinhas. 


O altar do sacrifício



“Se me levantares um altar de pedras, não o farás de pedras lavradas, pois se sobre ele manejares a tua ferramenta, profaná-lo-ás.” Êxodo 20:25

“Façam o Altar do Senhor, o seu Deus, com pedras brutas, e sobre ele ofereçam holocausto ao Senhor, o seu Deus.” Deuteronómio 27:6 (NVI)

1. O que é um altar?

O altar é um lugar onde o homem mais se pode aproximar de Deus. É o lugar onde o imperfeito se encontra com o perfeito, o feio com o belo, a criação com o criador, o pecador com o justo.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Messiânicos ousados


Os jovens messiânicos israelitas estão cada vez mais a sobressair no palco sem medo de declararem o que são e aquilo em que crêem. O último exemplo aconteceu na passada Terça-Feira à noite durante o programa de talentos mais visto na TV israelita.
A jovem messiânica israelita (crente em Jesus) Shai Sol, com 20 anos de idade, gerou uma verdadeira onda de espanto entre a audiência e os júris do programa de talentos "Kochav Haba" (Apróxima estrela) quando declarou acreditar em Yeshua como Messias.

Três palavras impróprias


As palavras são usadas para expor uma realidade mas também podem ser usadas para contornar a realidade ou para criar algo novo. Por vezes, trocar uma simples palavra por outra pode mudar completamente todo o quadro.

Pessoalmente não acredito em qualquer neutralidade na questão de Israel. Há pessoas que não estão envolvidas ou sequer atentas aos factos (ainda que alguns dos que estão envolvidos também não têm conhecimento sobre muita coisa). O ponto é, existem factos, históricos, culturais e religiosos, e bem documentados.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

A moeda da Palestina



Uma das diversões favoritas dos anti-sionistas e pessoas que odeiam Israel é mostrar moedas da Palestina antes de 1948 como tentativa para provar que antes houve um "estado da Palestina".

Esta é uma prova a meramente ridícula porque ninguém nega a existência de um
Mandato Britânico para a Palestina, uma entidade geo-política, sob a administração Britânica, que resultou do Império Otomano no sul da Síria depois da I Grande Guerra. Como se pode ver, a moeda tem um inscrição em hebraico, inglês e árabe.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

O Plano de Deus para a paz no Médio-Oriente de acordo com Isaías 19


O "Estado Islâmico" está determinado a construir um Califado Islâmico na área do levante, incluindo Israel. Mas Deus tem outros planos. Isaías 19 fala de uma futura ligação entre três nações chave na região: Egipto, Síria e Israel adorando juntos a Deus. É difícil saber como essa profecia se cumprirá e para muitos tal parece como uma fantasia.

Canon Andrew, o famoso Vicário de Bagdad, explica que Níneve é um lugar central para a comunidade cristã, que os crentes no Iraque estão numa grande angústia e desesperada amargura. Recentemente ele encontrou-se em Jerusalém com crentes de toda a região do Médio-Oriente para uma conferência cujo foco era uma visão do futuro baseado na profecia de Isaías 19, a saber, a profecia sobre uma estrada (de Deus) desde o Egipto até à ancestral área da Assíria, que inclui atualmente o Iraque:

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Refugiados judeus e muçulmanos são comparáveis?


Numa tentativa atabalhoadade apaziguar o medo de permitir que milhares de refugiados muçulmanos entrem nos Estados Unidos sem a adequada segurança, alguns meios de comunicação social de tendência de esquerda, cedem à tentação de comparar os refugiados judeus que escapavam do holocausto com os muçulmanos que fogem do caos do médio-oriente.

Esta falsa analogia é incrivelmente ofensiva, não apenas para as vítimas do holocausto mas para a própria história. Seguem-se cinco razões pelas quais os refugiados muçulmanos não são comparáveis aos refugiados judeus da II Guerra Mundial:


quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Rejeição da resolução 2334 do Conselho de Segurança da ONU


O grupo “Cristãos Sionistas Portugueses” declara rejeitar a resolução 2334 do Conselho de Segurança da ONU aprovada a 23 Dezembro de 2016.

Afirmamos que o povo judeu tem direito, por legitimidade divina, histórica e legal, à sua terra ancestral incluindo Judeia e Samaria e em especial a sua capital do Estado de Israel, Jerusalém, cidade indivisível, a qual nunca antes na história foi capital de qualquer outro povo.

Tão pouco reconhecemos a ocupação ilícita perpetrada pelos estados árabes vizinhos entre 1948 e 1967 e que alteraram dramaticamente a demografia da região nos territórios hoje disputados, os já referidos, Judeia e Samaria, e Gaza.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Palestinianos presos injustamente pela Autoridade Palestiniana


Alguns dias atrás, quatro palestinianos visitaram a Sucá (cabana da Festa dos Tabernáculos) de Oded Ricky, Presidente do Município de Efrat. Os vizinhos árabes foram convidados de honra dos seus vizinhos judeus e foram recebidos em conformidade com as boas práticas judaicas.

Os visitantes não causaram qualquer dano em alguém mas quando regressaram a casa foram foram presos pela Autoridade Palestiniana e de acordo com altos funcionários desta entidade ocupante da Samaria e Judeia eles são acusados do crime de "normalização com Israel".

UNESCO



A UNESCO despertou a nossa atenção recentemente com a polémica relativa à negação da ligação do povo judeu a Jerusalém, em especial ao Monte do Templo e ao Muro das Lamentações, pondo assim também em causa a nossa herança cristã.

A UNESCO tem três órgãos: a Conferência Geral, o Conselho Executivo e o Secretariado.



terça-feira, 18 de outubro de 2016

Placa no Muro das Lamentações


Aqui está uma foto bastante famosa do Ministério de Defesa Israelita com o Ministro Moshe Dayan em 1967, depois da conquista da cidade velha de Jerusalém.

Repare na placa por detrás dele: "Al-Buraq (Muro das Lamentações) Rd". Como se pode verificar, até os Jordanos, que durante 19 anos ocuparam a Cidade Velha e Jerusalém Oriental entre 1948 e 1967, que negligenciaram a zona Judaica, destruíram propriedades de Judeus e conservaram a área livre de Judeus – mantiveram porém esta placa no Muro Ocidental, como reconhecimento por parte dos Jordanos Muçulmanos que este era o muro dos Judeus.

Read more: http://www.israellycool.com/2016/10/15/the-iconic-photo-that-speaks-volumes/

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Conselho Islâmico reconhece a ligação dos Judeus ao Monte do Templo


Um guião de nove páginas de um panfleto turístico intitulado "Um Guião Resumido para al-Haram al-Sharif" publicado em 1930 pelo Conselho Supremo Muçulmano contradiz as declarações das Wakf Islâmicas que presentemente negam qualquer ligação Judaica com o Monte do Templo. O guia declara que o Monte do Templo "é um dos lugares mais antigos do mundo. A sua característica sacra remonta ao princípio dos tempos. O lugar identificado como o lugar do Templo de Salomão está fora de qualquer disputa. Este, também, é o lugar onde, de acordo com a crença universal, David construiu um altar ao Senhor, fez ofertas queimadas e ofereceu sacríficios de paz."

sábado, 8 de outubro de 2016

Artigos do Mandato da Palestina


O povo Judeu foi traído muitas vezes pelas nações do mundo, as quais não cumpriram com os acordos que formularam. Confirme abaixo os pontos do Mandato que as Nações do mundo mantiveram, ou não, e se entender comente.

O CONSELHO DA LIGA DAS NAÇÕES:


Considerando o acordo das Potências Aliadas, para conferir efeito às decisões do Artigo 22º da Aliança da Liga das Nações, para confiar pelas referidas Potências a um Mandatário a administração do território da Palestina, que antigamente pertenceu ao Império Turco, dentro das fronteiras tal como fixadas pelos primeiros; e

terça-feira, 4 de outubro de 2016

waqf



Waqf é um "tipo de propriedade" inalienável num contexto de solidariedade social e religiosa. Tipicamente trata-se de edifícios ou porções de terra ou até mesmo valor em dinheiro com finalidade de apoio social.

A doação é conhecida como asmushrut-ul-khidmat e a pessoa que o faz é conhecida como um "wakit".

domingo, 2 de outubro de 2016

Os Acordos de Oslo



O Governo do Estado de Israel e a comitiva da O.L.P. ("Delegação Palestiniana"), em representação do povo Palestiniano, concordam que chegou o momento de colocar um fim a décadas de confrontação e conflito, a reconhecer os mutuamente os direitos políticos de cada parte, e esfgorçarem-se para viver em coexistência pacífica, em dignidade mútua e segurança, e a alcançar uma justa, duradoura e compreensiva paz, assente na resconciliação histórica através de um processo de acordo político.